Guia da temporada 20/21 da NBA – Conferência Oeste/Divisão Pacífico

Por Armando Edra e Caio Moreno 

A nova temporada da NBA começou no dia 22 de dezembro. Por conta da Covid-19, esta foi a menor intertemporada da história da liga. Alguns times não jogam há quase um ano, enquanto outros jogaram há pouco mais de dois meses. O entrosamento é maior nas equipes que foram à bolha de Orlando, zona de isolamento com protocolo restrito criada para evitar a contaminação dos atletas pelo novo coronavírus na temporada 2019/2020, mas o cansaço pode afetar alguns jogadores neste começo de campeonato. Algumas surpresas podem surgir ao longo do caminho. A edição de 2020/2021 também conta com mais uma peculiaridade: terá apenas 72 jogos e não os costumeiros 82. A ideia é reestabelecer o número em 2021/2022.  

Na atípica última temporada, os Lakers se sagraram campeões e igualaram os 17 títulos do grande rival Boston Celtics. E a franquia de Los Angeles segue sendo a grande favorita para conquistar o troféu mais uma vez. Mas a concorrência aumentou. Kevin Durant pretende voltar à sua velha forma e guiar, junto com Kyrie Irving, os Nets à final, Antetokounmpo quer levar os Bucks ao campeonato que não vem há décadas, e os Clippers vêm mordidos pelo que aconteceu na última temporada, além de outros times fortes como os Nuggets e os Blazers, que darão trabalho a quem cruzar o caminho. 

Neste guia, divido em seis partes, onde cada uma corresponde a uma divisão da NBA, você vai encontrar o que esperar de cada franquia e suas prováveis escalações. A primeira parte será dedicada à divisão do Pacífico, que pertence à Conferência Oeste da liga, na qual os atuais campeões Lakers se encontram e que promete ser uma das divisões mais disputadas no decorrer da temporada. 

Golden State Warriors (15-50) 

Curry será capaz de levar os Warriors para os playoffs sem o seu fiel companheiro Thompson?  – Foto: Reprodução/Sportscasting

Potencial quinteto inicial

PG: Stephen Curry  

SG: Andrew Wiggins 

SF:  Kelly Oubre Jr. 

PF: Draymond Green 

C: James Wiseman 

A equipe de São Francisco tinha tudo para voltar a ser vista como uma das fortes candidatas ao título da NBA, mas a perda de Klay Thompson, que rompeu o tendão de Aquiles em novembro e ficará fora de toda a temporada, deixa um ponto de interrogação no quão longe irá a franquia. 

Por um lado, existe quem duvide do retorno de Golden State aos tempos de glórias recentes e, sem Thompson auxiliando Curry, os ‘Splash Brothers’ estão fadados ao fracasso em mais uma temporada. Já os mais otimistas acreditam que Curry conseguirá levar os Warriors para os playoffs, mas precisará de Draymond Green para auxiliá-lo nos momentos decisivos e da ascensão dos jovens talentos que a equipe possui atualmente. Andrew Wiggins precisa ser mais consistente em seus arremessos, Kelly Oubre Jr. não é nenhum Kevin Durant, mas tem potencial para se tornar um dos pilares do time, e James Wiseman, segunda escolha do Draft, é visto como um futuro grande protetor de aro da liga. 

Na última temporada, o time foi o pior da competição. A bola de três, então carro-chefe da equipe, sumiu. Foi o 25º em tentativas, 28º em bolas de três feitas e 29º em porcentagem de bola de três. O ataque foi o terceiro pior com 106.3 PPJ (pontos por jogo). Steve Kerr sofreu para montar um roster competitivo com as lesões de Curry, Thompson (fora de toda a temporada), a saída de Durant (também perderia a temporada por conta de lesão) e alguns jogos sem Green, todos pilares da franquia nos últimos anos. Somam-se a isso a saída de Iguodala e a aposentadoria de Shaun Livingston, peças fundamentais saindo do banco. Por conta de todas essas perdas, muitos jogadores desconhecidos receberam chances. Eric Paschall, novato, foi quem mais se destacou, e é esperado que seja um jogador de destaque vindo do banco. 

LA Lakers (52-19) 

Os Lakers se fortaleceram ainda mais na pré-temporada e permanecem sendo os principais candidatos ao título nesta edição – Foto: Reprodução/NBA

Potencial quinteto inicial: 

PG: Lebron James 

SG: Wesley Matthews 

SF: Kentavious Caldwell-Pope 

PF: Anthony Davis 

C: Marc Gasol 

O atual campeão está ainda mais forte e promete tentar estabelecer uma nova dinastia na NBA. Mesmo com pouca margem de manobra no Draft e na Free Agency, e com as perdas de Rajon Rondo, Danny Green, JaVale McGee e Dwight Howard, a diretoria dos Lakers fez um trabalho excepcional ao substituí-los trazendo o ala-pivô Montrezl Harrell, melhor sexto-homem da temporada passada, e o armador Dennis Schröder, segundo melhor sexto-homem. A equipe ainda conseguiu no mercado Marc Gasol, Wesley Matthews e manteve Kentavious Caldwell-Pope, todas excelentes peças para a rotação do elenco. A dupla de astros LeBron James e Anthony Davis, que também estenderam seus contratos, deve evoluir ainda mais nesta temporada, sendo difícil imaginar esse timaço fora de uma final em julho. 

Com as saídas de Rondo, Bradley, Howard e Green, LA perde na defesa, fator decisivo na reta final da bolha e, consequentemente, na conquista do título. A equipe foi a quarta melhor neste quesito na temporada regular, com 107.6 PPJ cedidos. Um aspecto em que o time precisa ter mais atenção é na hora de cuidar da bola. O time foi o quinto que mais permitiu roubadas dos adversários e o nono que mais cometeu turnovers na edição passada.  

Sacramento Kings (31-41) 

O jovem time dos Kings tenta se consolidar e ter uma temporada mais tranquila sob a liderança de Hield e Fox – Foto: Reprodução/Playmakerbrasil

Potencial quinteto inicial: 

PG: De’Aaron Fox 

SG: Buddy Hield 

SF: Harrison Barnes 

PF: Marvin Bagley III 

C: Richaun Holmes 

O Sacramento Kings perdeu Bogdan Bogdanovic, um de seus principais jovens talentos, para o Atlanta Hawks. Além disso, a franquia não conseguiu uma reposição à altura. Hassan Whiteside, excelente no rebote e na proteção de aro, mas limitado ofensivamente, chega para revezar minutos com Holmes, que apresentou bons números na temporada passada.  

A expectativa dos torcedores é de que o backcourt formado por De’Aaron Fox e Buddy Hield funcione melhor nesta temporada, mesmo após Hield declarar algumas vezes que não estava feliz com o seu papel na equipe, e de que Harrison Barnes possa ser um bom contribuidor nos dois lados da quadra. Outra esperança é Marvin Bagley III, que ainda não mostrou todo o seu potencial e pode ser fundamental para os ‘Reis da Califórnia’ conseguirem quebrar um tabu que dura 14 temporadas: o de conseguir uma vaga nos playoffs. Bagley sofreu com lesões nas primeiras duas edições da liga. Tyrese Haliburton, armador que foi a 12ª escolha do Draft, é o jogador para ficarmos de olho ao longo do ano. 

LA Clippers (49-23) 

Paul George e Kawhi Leonard têm tudo para levar os Clippers à primeira final da história da franquia – Foto: Reprodução/Sportscasting

Potencial quinteto inicial: 

PG: Patrick Beverley 

SG: Paul George 

SF: Kawhi Leonard 

PF: Marcus Morris Sr. 

C: Serge Ibaka 

Mesmo após uma eliminação traumática nos últimos playoffs, o Los Angeles Clippers permanece como um forte candidato ao título desta temporada. A equipe manteve estrelas como Kawhi Leonard e Paul George, que teve seu contrato estendido por mais quatro anos e receberá cerca de 190 milhões de dólares, e tentará chegar à sua primeira final da história sob o comando de Tyronn Lue, campeão com o Cleveland Cavaliers de LeBron James em 2016. Será interessante ver como se dará a transição de uma cultura de anos com Doc Rivers para Lue. 

A saída de Montrezl Harrell será suprida por Serge Ibaka, um defensor de perímetro mais versátil. O ala-armador Luke Kennard, que veio dos Pistons, acrescenta qualidade no perímetro e é uma excelente opção para a rotação do elenco. Nicolas Batum também pode ser uma peça importante durante a temporada e os playoffs. Patrick Beverley, um defensor voraz, mas contestado após uma temporada repleta de falas equivocadas e pouca criatividade ofensiva, e o faz-tudo Marcus Morris fecham a lista de jogadores-chave do elenco, que deve permanecer com o título de melhor roster e banco da liga.  

Phoenix Suns (34-39) 

Com um trio de respeito formado por Booker, Ayton e Chris Paul, o Suns busca se consolidar como uma nova potência – Foto: Reprodução/Playmakerbrasil

Potencial quinteto inicial: 

PG: Chris Paul 

SG: Devin Booker 

SF: Mikal Bridges 

PF: Dario Saric 

C: Deandre Ayton 

Uma das piores franquias na última temporada até a paralisação da liga devido ao novo coronavírus se tornou um time imbatível na bolha criada para encerrar, de forma segura, a temporada 2019/2020. No entanto, mesmo com a incrível campanha, o Phoenix Suns não conseguiu a almejada vaga nos playoffs, apesar de ter se mostrado muito competitivo sob o comando de Monty Williams. 

Com isso, o time da Conferência Oeste buscou dar um salto de qualidade para a próxima temporada e resolveu buscar no mercado o futuro Hall da Fama Chris Paul, que irá ajudar a desenvolver o talentoso núcleo jovem composto por Devin Booker, Deandre Ayton e Mikal Bridges. O time adicionou também o ala Jae Crowder, presente no Miami Heat, vice-campeão da última edição. O torcedor do Suns terá a oportunidade de ver o melhor time montado em muitos anos, mas isso será suficiente para garantir uma vaga nos playoffs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s