Obra de Machado de Assis esgota em um dia nos EUA

“Memórias Póstumas de Brás Cubas” foi lançado dia 2 de junho pela editora Penguin, na semana dos protestos contra o racismo

Por: Júlia Vianna, Rafaela Alves e Thamily de Freitas

A nova edição em inglês de Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, esgotou no dia de seu lançamento nos Estados Unidos. Lançado em 2 de junho, pela editora Penguin Classics, os livros físicos foram todos vendidos na Amazon e na livraria Barnes & Nobles, mas recentemente foram repostos. O título em inglês “The Posthumous Memoirs of Brás Cubas” foi traduzido pela pesquisadora Flora Thomson-DeVeaux. A primeira tradução em inglês do livro foi em 1951, mas não se tornou um sucesso de vendas como essa.

A obra foi lançada na semana dos protestos contra o racismo nos Estados Unidos, e esse pode ter sido um dos motivos que impulsionaram as vendas do livro de Machado. Deveaux fez uma ligação entre o contexto social em que o livro foi escrito e o contexto atual. Em seu twitter, a tradutora comenta “As Memórias Póstumas de Brás Cubas são muito do seu tempo, mas, de maneiras que tanto dão crédito a Machado quanto nos desacreditam, é do nosso também. Há ecos – troca de febre amarela por COVID – e há continuidade – racismo sistêmico, tão pungente hoje quanto foi na década de 1880.” 

Outro motivo que pode ter contribuído para o grande número de vendas foi um artigo publicado pela revista americana The New Yorker, em que Dave Eggers elogia a nova tradução do livro, chamando a atenção dos norte americanos. No artigo, o autor do epílogo desta nova edição do livro comenta :

“A inteligência pula séculos e hemisférios. Não acumula poeira e, quando bem feito, não envelhece. As Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Joaquim Maria Machado de Assis, é um exemplo. Há muito esquecido pela maioria, é um dos livros mais espirituosos, divertidos e, portanto, mais vivos e sem idade já escritos.” 

A nova tradução de “Memórias Póstumas” é uma das primeiras de uma sequência de outras obras que serão traduzidas nos Estados Unidos. Em 2018 foi lançada a primeira obra da série, o The collected stories of Machado de Assis, livro que reúne 76 contos do escritor brasileiro.

QUEM FOI MACHADO DE ASSIS?

(gif do Giphy, site com livre uso)

Machado de Assis, ou Joaquim Maria Machado de Assis, foi o escritor brasileiro responsável pelo início do Realismo no Brasil, com sua obra Memórias Póstumas de Brás Cubas. Ele é também o autor de obras famosas como Dom Casmurro, O Alienista e Quincas Borbas. Machado de Assis está em primeiro lugar entre os autores mais conhecidos pelos brasileiros, e em segundo lugar entre os autores que eles mais gostam, segundo a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, de 2016. Machado é considerado, pelo crítico literário Harold Bloom, o maior escritor negro de todos os tempos. Além disso, foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, em 1897.

Machado nasceu no Rio de Janeiro, e viveu no Morro do Livramento. Neto de escravos alforriados, perdeu sua irmã, mãe e pai entre a infância e a adolescência. Autodidata, Machado aprendeu a ler e escrever sozinho. 

Ainda adolescente,  Machado teve seu primeiro trabalho literário publicado, o soneto “À Ilma. Sra D.P.J.A”, em 1854. Depois, obteve grande participação em jornais e revistas da época escrevendo crônicas, poesias, e romances, que saiam em folhetins depois se tornavam livros. Em 1880 saiu o primeiro folhetim contendo o livro Memórias Póstumas de Brás Cubas na Revista Brasileira, de 15 de março a 15 de dezembro, sendo o livro publicado em 1881. 

ESTILO MACHADIANO E PRINCIPAIS OBRAS

Machado de Assis possuía um estilo único de escrita, que trazia revelações sobre a alma humana, seus conflitos e suas maldades, levando o leitor a compreender o psicológico dos personagens. O estilo machadiano é marcado pela compreensão da essência humana, o pessimismo diante dessa realidade, a ironia que revela sua crítica à sociedade, e o uso da metalinguagem. 

A doutora em Letras pela UFRJ, Rosângela Ferreira, comentou sobre sua experiência lendo as obras de Machado e as características do estilo machadiano “Como leitora, acho genial a sua capacidade de mostrar, através da linguagem, como a mente humana é capaz de construir uma diversidade de mundo a partir de uma única realidade. Ele trabalha genialmente com a cognição humana e todos os seus aspectos: linguagem, cultura e experiência/ conhecimento.”

As primeiras obras de Machado foram marcadas pelo Romantismo, e as últimas pelo Realismo, escola literária que ele inaugurou no Brasil. Foi nesta segunda escola que o escritor se consolidou e marcou seu nome na literatura brasileira. Conheça 5 obras de Machado de Assis que fazem parte dessas duas escolas literárias:

  • Memórias póstumas de Brás Cubas
foto: biblioguarulhos.com.br

Seu estilo de escrita inicial, o romântico, é rompido com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas. Com esse livro, Machado implanta o realismo no Brasil, trazendo para seus livros, a ironia, o espírito crítico, o pessimismo e uma profunda reflexão sobre a sociedade. O livro relata a vida de Brás Cubas, porém o que o deixa muito diferente e ainda mais interessante é que a biografia é relatada por ele, mas após a sua morte. Brás se denomina um “defunto-autor”. Contanto experiências de vida que viveu desde sua infância, até a vida adulta. Brás Cubas deixa muito explícito seu lado pessimista de ver a vida, e também suas desilusões amorosas. Machado trás ao livro um pouco das questões da época, como o evolucionismo de Darwin por meio da filosofia do humanitismo, apresentada ao leitor através do personagem Quincas Borba, melhor amigo de infância de Brás Cubas. Machado pontua sua crítica à cada fase e estilo de vida vivida por famílias como a de Brás, além da crítica ao racismo. Discussões tão marcantes ainda hoje em nossa sociedade.

Já Anne Santos, de 24 anos, comenta que achou a linguagem desse livro muito difícil, e confessa que achou chato quando leu aos 16/17 anos, por conta da escola. Anne comenta “Com certeza lendo agora seria muito diferente, porque o eu de 16 anos não tem nada a ver com o eu de 24”

  • Ressurreição 
foto: Amazon

O primeiro livro de Machado, publicado em 1872, seguia o estilo do romantismo. A obra relata a vida de Félix, que se vê de repente dono de uma grande fortuna. Apaixona-se por Lívia e prestes a se casar, faz uma viagem inesperada. O destino dos dois se torna incerto após a viagem.  

Clara Nogueira, de 16 anos, é leitora e compartilha suas leituras e opiniões no Instagram, na sua conta  @liternecer. A jovem leu A Ressurreição e comenta “Poxa, li há um tempo e não tenho tantas memórias dele. Acho que não guardei tanta coisa porque não me apaixonei tanto pela leitura.  É uma boa história, mas fiquei com uma sensação um pouco arrastada enquanto lia. Mas é muito interessante ver que já tem ali uma forma típica de Machado, é um “petisco” para o que viria mais tarde.

  • Helena 
foto: Cola da web

Esta obra literária faz parte da fase romântica escrita por Machado. O livro relata a vida de uma jovem, Helena, que foi adotada como filha de Conselheiro Vale e que deve assumir seu lugar na família quando o mesmo falecer.


Anselmo Mathias, de 44 anos, leu o livro e comenta sua experiência: “Helena faz muitos anos que li, uns 23 anos eu acho. Eu gostei. A autoria de Machado não é simples, pelo contrário, o contexto de personagens e enredo salvem intrínsecos e complexos. Eu acho que se fosse ler nos dias atuais teria uma percepção mais apurada do livro e teria captado melhor a historiografia do mesmo.

  • Quincas Borba
foto: Guia do estudante

Publicado após Memórias Póstumas, muitos consideravam o livro como uma continuação, o que não agradava Machado. Sua única semelhança além do personagem Quincas Borba é o estilo de escrito do realismo. O livro narrado em terceira pessoa, conta a história de Rubião, herdeiro da fortuna de Quincas Borba, e dos tipos urbanos da corte que o levam à ruína. 

“a narração ser em terceira pessoa me agradou bastante, porque me permitiu ter uma visão mais objetiva da história. A linguagem é outro fator bem contagiante, porque é preciso estar atento à como ela muda de acordo com a distinção social do personagem. Acompanhar a história de Rubião em direção ao seu enlouquecimento é muito interessante. Numa pegada bem próxima da loucura de Dom Quixote, você se envolve com a história desse professor. A personagem da Sofia não apresenta mais um temperamento romantizado e idealizado do feminino como era visto nos movimentos literários anteriores. No entanto, estas figuras femininas ainda estão presas numa sociedade patriarcal de submissão ao homem e à instituição do casamento. Por mais que tenha sido publicado há mais de um século, há muitos temas relevantes e modernos nesta obra tão instigante. Vale a pena conferir!” Andressa Gomes, formada em Letras e Literatura pela UFRJ,

  • Dom Casmurro
foto: educacaoetransformacao.com.br

A obra mais famosa de Machado e a mais querida entre os jovens. Quem nunca se viu pensando se “ela traiu ou não?”. Essa discussão se refere a história do livro que conta a vida de Bentinho que se apaixona por Capitu […Com seus olhos de cigana, oblíqua e dissimulada.]. Machado deixou não só Bentinho com dúvidas sobre a traição de Capitu, mas nós leitores, também. 

A estudante de jornalismo, Marianna Ramos, de 19 anos, conta sua experiência ao ler essa obra: “Eu li Dom Casmurro, de Machado de Assis, aos 14 anos. Estava no 9º ano, a professora de literatura propôs que grupos lessem algumas obras da literatura brasileira, fez um sorteio e o meu ficou com esse. No final, tínhamos que apresentar um seminário falando um pouco do livro pro outro. Foi muito legal, porque além desse, pude aprender sobre outros, e serviu pra despertar mais a minha curiosidade em relação aos consagrados da literatura brasileira. Confesso que, por não estar acostumada, no início foi um pouco difícil o entendimento do livro, mas aos poucos fui me envolvendo na história e achei incrível.”

OBRAS GRATUITAS

Todas as obras de Machado de Assis podem ser baixadas gratuitamente pelo site Machado de Assis – Vida e Obra, criado pelo Portal Domínio Público em parceria com o Núcleo de Pesquisa em Informática, Literatura e Lingüística (NUPILL), da Universidade Federal de Santa Catarina. Algumas das obras citadas como Memórias Póstumas de Brás Cubas, e outras como A Pianista e O Imortal também estão gratuitas no site da Amazon

PLAYLIST SOBRE MACHADO DE ASSIS

Ouça a nossa playlist sobre Machado de Assis e conheça mais sobre a história desse grande escritor através das músicas:

Um comentário sobre “Obra de Machado de Assis esgota em um dia nos EUA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s