Os desafios da falta de gestão esportiva profissional no Brasil

Seguindo a programação do Facha Lives 2021, Leandro Lacerda, coordenador dos cursos de Comunicação Social e Gestão Desportiva e Lazer, apresentou na sexta-feira (05) um tema para entender grande parte dos problemas vividos pelos clubes brasileiros: a falta de gestão profissional.  

Ao falar sobre os clubes de maiores torcidas, o Flamengo é um bom exemplo por ter a maior torcida do Brasil. Usando dados do ano de 2019 do Ibope e do Datafolha, o professor mostra que, no ano mágico do clube, o time carioca venceu o Campeonato Brasileiro e a Libertadores da América e conseguiu uma taxa de ocupação de estádio em torno de 80%. Entretanto, o Borussia Dortmund, um time tradicional alemão e sem grandes títulos nos últimos anos, teve sua taxa de ocupação de estádio em torno de 98%. 

No caso rubro-negro, até mesmo o todo poderoso, teve suas falhas de gestão o que expõe uma grande deficiência da gestão esportiva brasileira. 

A maior torcida do Brasil tem dificuldades em alcançar maiores taxas de ocupação (Foto: Reprodução)

A falta de gestão profissional 

A fidelização da torcida é um grande problema em nosso modelo de gestão. Se os clubes estão bem, a torcida comparece, mas quando não estão, a torcida some.  

Leandro cita como exemplo o Fluminense de 2008, que chegou à final da Libertadores lotando o Maracanã. Em 2019, no entanto, sua ocupação de estádio foi de 28%, um número muito baixo para sua enorme torcida. Na ocasião, o tricolor ficou em 14° no Brasileirão. 

A falta de ídolos é outro fator que mantém a torcida longe dos estádios. Para o professor, as equipes precisam ter atrativos ao público, a exemplo, o Vasco de Romário e Juninho e o Botafogo de Loco Abreu e Seedorf. O alvinegro até que tentou esse ano com a contratação do meia japonês Honda, mas um jogador sozinho não faz milagre. O clube acabou entrando em mais dívidas e com um elenco muito limitado foi rebaixado à Série B. 

O Cruzeiro é outro dos clubes citados por Leandro. A raposa é a única equipe dos chamados “grandes clubes” que não conseguiu ascender à elite do futebol, depois de uma queda em 2019. A falta de ambição, a falta de profissionalismo chama a atenção nesse caso. No fim do Brasileiro daquele ano, o Cruzeiro arriscou ao fazer contratações caras e teve várias trocas de treinador. A conclusão foi um abismo financeiro sem fim. 

Um outro problema relatado pelo professor é o individualismo dos clubes. A falta de conversa e interação entre as equipes ocorre no fortalecimento de uns e no enfraquecimento de outros, mas no final, acaba que todas as equipes se prejudicam por causa disso 

“Na Alemanha, quando o Borussia Dortmund parou por uma enorme crise financeira, o primeiro clube a ajudá-lo foi o Bayern de Munique. O maior clube do país pensou: que graça teria ganhar um campeonato que só nós fôssemos fortes, não teria competitividade e nem graça nenhuma”, disse o coordenador reforçando a importância da solidariedade entre as equipes. 

Engajamento nas redes sociais 

Leandro defende o engajamento através das redes sociais e ações de marketing para promover as próprias marcas como principal fonte de lucros. Para demonstrar a importância desse quesito, o coordenador cita o Íbis, equipe da segunda divisão pernambucana que, embora não esteja desenvolvido esportivamente falando, dá aula de utilização de redes sociais.  

Íbis tem o quarto maior engajamento do mundo, atrás apenas de Arsenal, Chelsea e Manchester United, ambos na Inglaterra, e a frente de equipes como Barcelona, Real Madrid e o próprio Flamengo. 

Íbis é o maior clube do Brasil em termos de engajamento  (Foto: Reprodução)

Endividamento dos clubes 

De acordo com os dados da Pluri Consultoria, as equipes brasileiras dependem de dois fatores para conseguir aumentar as suas finanças: o primeiro deles trata-se dos direitos de transmissão e cotas de participação e o segundo trata-se da venda de jogadores. Ao contrário do que é praticado na Europa, onde a gestão do futebol é profissionalizada, pouco se investe em marketing e comerciais como fonte de receita. 

Os direitos de transmissão e as cotas de participação chegam à marca de 40% da receita das equipes brasileiras, por isso há um enforcamento financeiro quando uma equipe é rebaixada, casos de Cruzeiro e Botafogo.  

Uma solução é investir em marketing para aumentar exponencialmente a fatia deste quesito, que hoje corresponde a apenas 9% do valor arrecadado pelos clubes. 

Clubes brasileiros investem muito pouco em Marketing (Foto: Reprodução)

Gestão Desportiva e Lazer 

Por fim, Leandro falou sobre o curso de Gestão Desportiva e Lazer da Facha para aqueles que tem interesse em trabalhar com essa área ou quer abrir o seu próprio negócio dentro do ramo de esporte e lazer.  A graduação dura dois anos e o aluno sai capacitado para gerenciar qualquer clube ou empresa. Para maiores informações acesse facha.edu.br. 

Para conferir a live na íntegra é só clicar no player abaixo. 

Um comentário sobre “Os desafios da falta de gestão esportiva profissional no Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s