Módulo II do Workshop de Carreiras Jurídicas da EDHA traz mais quatro convidados

Foto de Capa: Reprodução

Por Matheus Carvalho

A Escola de Direito Hélio Alonso promoveu nesta quarta-feira (28/04) o Workshop de Carreiras Jurídicas. Um evento destinado aos alunos de Direito e público geral, ministrado pelo coordenador do curso, Fagner Sandes, com a participação de profissionais dos mais variados campos do Direito. Dividido em três seções, o módulo II aconteceu das 14h às 16h no canal do Youtube da FACHA e contou com quatro convidados. 

O palestrante que abriu o segundo módulo foi o advogado e Diretor de Desenvolvimento da Universidade Santa Úrsula, Telson Pires. Professor há mais de 20 anos, o profissional contou sobre a preparação para uma boa oratória e deu dicas de como se tornar um bom orador.  

Pires abriu seu discurso argumentando que no exercício de uma carreira jurídica é necessário ter facilidade no manuseio das palavras, saber utilizar a técnica da retórica e ter uma boa argumentação para convencer terceiros a ter os serviços contratados. 

Em seguida, afirmou que aprender a oratória é complexo, não é um “dom” com o qual uma pessoa nasce, demanda conhecimentos técnicos específicos, estudos e muito treino. Com isso, apresentou o projeto pessoal “Fale sem Medo” que ajuda a desmitificar o medo de falar em público.  

Por fim, deu dicas de como entender o que é o medo e falou da técnica “máscara do discurso” que consiste em preparar uma introdução elaborada e que sobre um tema que tenha domínio, para lhe dar segurança no decorrer do discurso. 

A segunda convidada foi Zizi Martins, procuradora estadual da Bahia há 24 anos, professora de pós-graduação na AGU e PGU-Rio e uma das autoras da Lei Baiana de Licitações. A palestrante traçou um panorama das carreiras jurídicas e destrinchou os cargos nos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário. 

 Logo após, falou do trabalho realizado como Procuradora Estadual que consiste na representação judicial do Estado e, como integrante da área de consultoria, fazer o aconselhamento de questões jurídicas do governador e demais cargos políticos. Para finalizar, recomendou aos alunos que desejam realizar concursos públicos que tenham resiliência. 

Convidados do segundo módulo do Workshop de Carreiras Jurídicas (Fotos: Reprodução)

Passado metade do módulo, a palestrante seguinte foi a oficial de Justiça Claudete Pessoa, que descreveu o cargo como desafiador, mas também apaixonante. Além disso, também é professora de cursos preparatórios para concursos públicos. A oficial disse que um dos principais desafios da profissão é enfrentar “concepções equivocadas” sobre a atuação do seu trabalho como ser “entregador de mandados”. 

Pessoa enfatiza que o papel do oficial de Justiça é fazer valer na prática as normas e decretos de juízes a partir de uma ordem judicial. Trazendo com leveza o termo Longa Manus para melhor compreensão, o Oficial personifica o poder do Judiciário dentro da casa do cidadão, em outras palavras, é a cara da justiça. 

Ela prossegue afirmando que é preciso ter um vocabulário acessível à população para que possam compreender os decretos. Outra necessidade é a de ter uma visão isenta e imparcial para trazer a realidade dos fatos aos seus superiores e em casos que envolvam crianças, exercer um papel de psicólogo, pedagogo e assistente social. Para finalizar, apresentou as vantagens da profissão como a possibilidade de ter um horário flexível e uma boa remuneração. 

Finalizando o módulo II do Workshop, o convidado foi Fábio Vilela, membro do Ministério Público do Trabalho do Rio (MPT/RJ) há 18 anos. O Procurador que atualmente é Vice Procurador-Chefe, foi Procurador-Chefe em dois mandatos de 2015 a 2019. Quanto a definição do emprego, foi sucinto, ama o que faz. 

Vilela se dedicou a explicar os cargos do Ministério Público com sede em Brasília e suas áreas de atuação em três cargos como inicial, intermediário e avançado. O Procurador do Trabalho que atua na investigação extrajudicial e no segundo grau, o Procurador Regional que atua somente na segunda instância e o Subprocurador que atua perante o Tribunal Superior do Trabalho, a superior corte trabalhista. Afirmou ainda que em cada Estado existe uma Procuradoria Regional. 

Depois disso, traçou as formas de atuação do Ministério Público do Trabalho em três formas básicas: Promoção de Interesses, trabalho informacional e pedagógico, Órgão Interveniente com atuação judicial e por fim, o que considera carro-chefe, a qualidade de Órgão Agente, com poder extrajudicial e judicial.  

Para finalizar, explicou que o MPT é diferente da Advocacia Pública, já que a sua função é ser o advogado da sociedade, enquanto o outro advogado é público. Ademais, ser fiscal e defensor da Ordem Jurídica e que não lhe cabe como Procurador do MPT atuar em demandas individuais. 

Confira a transmissão do módulo aqui:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s