Triste reflexo da pandemia e do aumento do desemprego, a fome cresce no Brasil

Foto de Capa: Marcos Oliveira

Por Marcos Oliveira

Após aproximadamente um ano e quatro meses de pandemia no Brasil, desde que foi registrada a primeira contaminação, o país ainda continua a sofrer grandes impactos em diversos setores, tendo como um dos mais prejudicados o setor econômico. Com o número expressivo de desemprego, um dos temas que voltam a preocupar é inserção do país no mapa da fome, após sete anos que ele foi retirado do mapa em 2014. 

Não distante da triste realidade nacional, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE), o Estado do Rio de Janeiro bateu o recorde histórico, atingindo a marca de 1,6 milhões de desempregados no 1º trimestre de 2021. Com isso, segundo o FGV Social, aproximadamente 1,7 milhão de pessoas vivem em estado de extrema pobreza, ou seja, de acordo com o Governo Federal, pessoas que vivem com renda per capita de até R$ 89 mensais. 

Os reflexos desses números podem ser claramente vistos pelas ruas da cidade. Na região central, por exemplo, todos os dias é possível registrar uma aglomeração de pessoas à frente da Biblioteca Parque, na Avenida Presidente Vargas, dispostas a receber quentinhas que são distribuídas na hora do almoço pelo governo do estado. 

No meio dessa aglomeração é possível encontrar pessoas de todos os perfis, como imigrantes, jovens, adultos solteiros e famílias completas que vieram de outros estados e por falta de renda, acabaram tendo que fazer da rua seu lar. 

Dalila Silva (57) é viúva e mãe de dois meninos, natural do interior da Paraíba, reside no estado a mais de vinte anos e dependia da renda de faxinas para viver, mora de aluguel e com a perda das faxinas, um pouco mais de um mês se viu obrigada a estar nas ruas pedindo ajuda, já que o dinheiro do Auxilio Emergencial não é suficiente para manter as despesas.  

“ Nunca na minha vida, mesmo com tantas dificuldades no interior havia experimentado a dor da fome, então hoje eu fico sem comer para dar para os meus filhos. Com essas quentinhas eu garanto o almoço e a janta, e assim alivia no essencial. Eu só queria que essa pandemia acabasse, e que a nossas vidas voltassem ao normal” 

Como medida para minimizar a fome que é real, a Prefeitura criou a campanha Rio Contra a Fome, atuando desde abril, possui o objetivo de arrecadar alimentos nos postos de vacinação do Rio, e ajudar os que sofrem com a fome intensificada pela pandemia. A Secretaria Especial da Juventude Carioca (JUV – Rio) está à frente da campanha, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e a Secretaria Especial de Ação Comunitária (SEAC), recebendo as doações, organizando a logística e atuando como facilitadora com os coletivos e organizações da sociedade civil parceiras, que ficam responsáveis pela distribuição dos alimentos. 

O assunto FOME, precisa ser enfrentado com muita seriedade, pensando nisso convidamos a você a assistir ao vídeo a seguir, que é uma matéria reflexiva criada especialmente para uma disciplina da FACHA, baseada no poema O BICHO de Manuel Bandeira.  Queremos também motivá-lo a participar de toda e qualquer campanha séria de doação de alimentos. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s