Estreante nos Jogos de Tóquio em 1964, o voleibol de quadra retorna ao Japão sendo um dos esportes mais equilibrados e populares da competição

Foto de capa: Rebeca Doin

Por Armando Edra  

O voleibol retorna para o país onde estreou nos jogos olímpicos e é umas das maiores esperanças brasileiras na luta por uma medalha de ouro. O esporte está entre as modalidades mais vencedoras do Brasil nas Olimpíadas e, junto com o vôlei de praia, torna-se o líder desse ranking.  

Crédito: Octávio Neto.

Masculino

Do lado masculino, a equipe brasileira é a atual campeã olímpica e permanece sendo o adversário a ser batido após quatro finais olímpicas seguidas, quando conquistou o ouro em Atenas 2004 e Rio 2016 e as pratas de Pequim 2008 e Londres 2012.  

Crédito: Octávio Neto.

Com alguns campeões olímpicos remanescentes da Rio 2016, como Bruninho, Lucarelli, Lucão e Wallace, a equipe verde amarela conta ainda com a adição de Yoandy Leal, cubano recém naturalizado brasileiro como um dos principais novos nomes da equipe agora comandada pelo medalhista de prata olímpico em Los Angeles-84, Renan Dal Zotto.  

Vale ressaltar a inédita conquista brasileira da Liga das Nações, na Itália, último teste do time antes da Olimpíada e primeiro desde a pausa causada pela pandemia, na qual a seleção brasileira demonstrou toda a sua força em uma campanha sublime. 

O torneio olímpico de vôlei masculino contará com Brasil, Estados Unidos, Polônia, Rússia, França, Argentina, Canadá, Itália, Irã, Tunísia, Venezuela e Japão, os donos da casa. Um fato curioso é que o Brasil é a única nação com as quatro medalhas de ouro possíveis na modalidade, ou seja, no vôlei masculino e feminino de quadra e de praia. 

Brasil venceu o título inédito da Liga das Nações e se credencia como uma das favoritas ao ouro olímpico. Foto: Divulgação/FIVB.

Feminino

Pelo lado feminino, as esperanças por medalhas são menos otimistas. O ciclo olímpico da equipe brasileira foi marcado por testes de inúmeras jogadoras buscando formar o melhor elenco para buscar o pódio que escapou em casa, no Rio em 2016. Mesclando jovens jogadoras e contando com o retorno de atletas experientes, o técnico José Roberto Guimarães busca voltar ao pódio olímpico depois de um ciclo de altos e baixos. 

Crédito: Octávio Neto.

Das grandes competições do circuito, as brasileiras foram campeãs do Grand Prix em 2017 e prata em 2019 do mesmo torneio, agora conhecido como Liga das Nações. Sétimo no mundial, quarto na Copa do Mundo de vôlei feminino e vice na última edição da Liga das Nações, as brasileiras têm como prioridade retornar ao topo, mas devido a seguidas lesões das atletas, o Brasil vem se distanciando cada vez mais do pódio. 

As quadras japonesas receberão Brasil, Estados Unidos, Sérvia, China, Rússia, Itália, Quênia, Argentina, Coréia do Sul, Turquia, República Dominicana e Japão, o país sede, para o torneio olímpico de vôlei feminino. 

União e garra serão fundamentais para o sucesso da seleção feminina nos Jogos de Tóquio.
Foto: Divulgação/ FIVB. 

Formato e regras 

Nas regras atuais, cada equipe possui doze jogadores, sendo seis titulares, um deles o líbero, e seis reservas. Divididos por uma rede em uma quadra de 18 x 9 metros, o objetivo principal é colocar a bola no chão do lado adversário. Para que haja um vencedor, uma equipe deve ganhar três sets de 25 pontos, podendo ser um deles o famosos tie-break que vale 15 pontos. Vale ressaltar que caso o placar esteja em 24 a 24, não ganhará o set a equipe que marcar o vigésimo quinto ponto e sim aquela que abrir dois pontos de vantagem sobre o adversário. 

Outra regra que deve ser esclarecida é o sistema de pontuação para fins de tabelas e classificação. Desde 2009, a FIVB optou pelo esquema de pontos por resultado, ou seja, se uma equipe vence por três sets a zero ou a um, o vencedor ganha 3 pontos e o perdedor fica com zero pontos. Caso o placar seja três sets a dois, o vencedor leva dois pontos e o perdedor fica com um ponto. No caso de empate entre duas ou mais equipes na classificação final do grupo, os critérios de desempate serão os seguintes: número de vitórias, ponto average e set average

Local 

As disputas do vôlei acontecerão na Ariake Arena, estádio poliesportivo localizado no distrito de Ariake, em Tóquio. Com capacidade para até quinze mil espectadores, a arena foi construída para os Jogos e após o torneio olímpico, sediará o basquete em cadeira de rodas dos Jogos Paralímpicos 2020. 

A Ariake Arena foi uma das novas construções criadas especialmente para os Jogos de 2020. Foto: Tokyo Metropolitan Government/Divulgação.

Calendário

Outros favoritos 

Bartosz Kurek é a esperança de medalha para a forte Polônia depois de 44 anos. Foto: Reuters.

Principal pedra no sapato da seleção brasileira masculina, a Polônia, bicampeã mundial, é liderada pelo excelente oposto Bartosz Kurek, um dos melhores pontuadores da atualidade, e quer conquistar na Olimpíada de Tóquio sua segunda medalha olímpica da história, que não vem desde o ouro em Montreal 1976. O time não tem obtido sucesso em Jogos Olímpicos, parando nas quartas de final das últimas quatro edições e sempre rende jogos dificílimos contra o Brasil. 

A Rússia, campeã da fortíssima Liga das Nações em 2019, campeã olímpica do vôlei masculino em Londres 2012 e sede do próximo campeonato mundial, em 2022, é outra equipe que está em ascensão e aparece como forte candidata ao ouro. Estados Unidos, França, Itália e Argentina também aparecem como candidatas a medalhas diante da competividade que apresentaram durante o ciclo olímpico em outras competições. 

Da vida de camponesa para a de ídolo nacional, Zhu Ting é a líder da China na busca pelo bi olímpico. Foto: Divulgação/FIVB.

No torneio feminino, China e Sérvia, respectivamente atuais campeã e vice olímpica, pintam como as favoritas para repetirem a disputa pelo ouro nos Jogos de Tóquio. Após calarem a torcida brasileira ao vencerem as donas da casa nas quartas de final dos Jogos Olímpicos do Rio, as chinesas buscam o bi olímpico carregadas de um bom retrospecto no ciclo. Lideradas pela ponteira Zhu Ting, a principal responsável pela vitória contra o Brasil em 2016, a China também venceu a Copa do Mundo de 2019 e levou o bronze no mundial de 2018, ambos disputados no Japão. 

Campeãs Mundiais de vôlei feminino há dois anos e lideradas por Tijana Boskovic, a Sérvia é o principal time europeu na briga pelo ouro em Tóquio, afinal, foram bicampeãs do fortíssimo campeonato da Europa em 2017 e 2019, e querem a revanche contra a China. 

As japonesas também merecem destaque, foram as primeiras campeãs olímpicas da história e são as atuais bicampeãs asiáticas e, apesar de não poder contar com sua fanática e apaixonada torcida, tem tudo para ir bem no torneio e quem sabe subir ao ponto mais alto do pódio que não vem desde Montreal 1976.  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s