A volta da água turva da Cedae causa desligamento no sistema de tratamento e gera falta d’água em bairros

Depois de 1 ano do caso da geosmina, moradores relatam que a água voltou a ter gosto e cheiro de terra 

Foto de Capa: Tomaz Silva/Agência Brasil

Por Rafaela Alves, Manuella Cavalcanti e Nathália Machado

Desde quinta-feira, 21 de janeiro, moradores do Rio de Janeiro comentam que a água voltou a ter cheiro, gosto de terra e coloração alterada. Por causa da água turva, a Cedae – Companhia Estadual de Águas e Esgotos desligou por dez horas, na noite da quinta-feira, dia 21, o sistema de tratamento do Rio Guandu, o que causou a falta d’ água em lugares da Baixada Fluminense, Zonas Norte e Oeste. No sábado, dia 30 de janeiro, a Defensoria Pública e o Ministério Público do Rio de Janeiro abriram uma nova investigação para saber o motivo da água estar de novo, como no ano passado, com cheiro, gosto e coloração alterados. 

Em janeiro de 2020, aconteceu pela primeira vez a crise da água turva, e os pesquisadores descobriram a presença da geosmina na água, uma substância gerada por micro-organismos presentes na bacia do Rio Guandu. Outros estudos feitos pela UFRJ descobiram que esgotos domésticos e lixos industriais foram os responsáveis pela água alterada do ano passado. 

Ana Quézia, moradora de Nilópolis, é uma das afetadas pela crise da água turva neste ano. A jovem ficou sem água em casa por um dia, na terceira semana de janeiro, e notou que a água estava com o cheiro muito forte. A estudante de biologia diz que sua família não está usando a água da Cedae para beber, “estamos comprando água mineral no mercado, inclusive está em falta em alguns mercados em Nilópolis”. 

 OUTRO CASO RECENTE DE FALTA D’ÁGUA NO RIO 

Foto: Roberto Sitzia/ Pixabay  

Moradores do Rio também ficaram sem água entre novembro e dezembro de 2020, por conta da falha em um motor da Elevatória do Lameirão, local onde fica o conjunto de equipamentos que bombeiam água para os municípios do Rio de Janeiro e Nilópolis. A Cedae informou no dia de 17 de novembro que o abastecimento seria reduzido, e a água passou a ser bombeada com 75% de eficácia, causando falta d’água na Baixada Fluminense, Zonas Norte, Oeste e Sul.  

A esteticista Nataly Melo, moradora de Campo Grande, ficou mais de um mês sem água entre novembro e dezembro do ano passado. Como mãe de crianças pequenas, Nataly diz que a experiência de ficar sem água em plena pandemia foi horrível. A esteticista mora na rua Parapuí e afirma que todos os moradores da rua ficaram sem água. Nataly diz que esse problema não é de agora: “no meu bairro sofremos sempre com a falta d’água, temos que ter bomba, se não é ficar sem água na certa”.  

De acordo com a empresa, foi realizado um plano emergencial para minimizar os impactos no abastecimento reduzido. A execução demandou complexidade e precisou ser feito gradualmente para não comprometer a estrutura da unidade, já que as bombas ficam localizadas a cerca de 64 metros de profundidade e o motor pesa 35 toneladas. O complexo ficou 37 dias funcionando parcialmente, afetando mais de um 1,5 milhão de moradores. A Cedae adotou medidas para minimizar os impactos, como ofertas de carros-pipas para hospitais e outros serviços essenciais e rodízio de abastecimento, mas, mesmo assim, moradores reclamaram com a falta d’água por vários dias. 

A companhia anunciou no dia 21 de dezembro que o reparo no motor havia sido concluído e o equipamento voltou a operar com 100% da capacidade, o abastecimento poderia ser normalizado em até 48 horas. Para compensar o inconveniente causado à população, a Cedae afirmou que será feito um desconto automático de 25% nas contas dos clientes afetados pela redução do fornecimento de água, sendo tal redução válida para todos os tipos de consumo, tanto residenciais quanto comerciais e industriais. 

HISTÓRIA DA CEDAE 

A Cedae, Companhia de Águas e Esgotos, foi construída em 1º de agosto de 1975, após a fusão do Rio com a Guanabara em um só estado, o Rio de Janeiro. A empresa é derivada de uma fusão da Empresa de Águas do estado da Guanabara (CEDAG), da Empresa de Saneamento da Guanabara (ESAG) e da Companhia de Saneamento do Estado do Rio de Janeiro (SANERJ). 

Desde o início da atuação da Cedae, locais como a Baixada Fluminense, Favelas e Região Metropolitana sofriam com a falta de estrutura necessária para saneamento básico e abastecimento de água. A estação do Rio Guandu fornecia água para a cidade do Rio, e também passou a fornecer oficialmente para a Baixada. Foram criadas redes de abastecimento de água e de coleta de esgoto nos outros municípios.  

A Cedae surgiu com o objetivo de operar e manter a captação, tratamento, adução, distribuição das redes de águas, além da coleta, transporte, tratamento e destino final dos esgotos gerados dos municípios conveniados do estado do Rio de Janeiro. Atualmente, a corporação é responsável pelo abastecimento de água tratada e coleta de esgoto sanitário de 64 dos 92 municípios do estado. Ao longo dos anos, o sucateamento da companhia e graves crises de abastecimento em cidades do Rio de Janeiro trazem à tona questões sobre a privatização da CEDAE.  

PRIVATIZAÇÃO DA ESTATAL  

Fachada do edifício-sede da Cedae

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil  

Na última terça-feira de 2020, dia 29 de dezembro, o governo do Rio de Janeiro publicou o edital de leilão para conceder os serviços de coleta e tratamento de esgoto da Cedae à iniciativa privada pelos próximos 35 anos.  

O projeto de concessão proposto pelo BNDES, Banco Nacional do Desenvolvimento, prevê que a captação e tratamento de água continuem sob responsabilidade do estado e a iniciativa privada assume a distribuição da água, coleta e tratamento esgoto em locais onde esses serviços já estão sob responsabilidade da companhia. Essas medidas fazem parte do Plano de Recuperação Fiscal do Rio de Janeiro, assinado em 2017.  

A privatização da Cedae é dividida em quatro blocos e engloba 35 cidades. O bloco 1 contempla a Zona Sul da capital fluminense e 18 municípios sendo estes: São Gonçalo, Aperibé, Miracema, Cambuci, Cachoeiras de Macacu, Cantagalo, Casimiro de Abreu, Cordeiro, Duas Barras, Magé, Maricá, Itaocara, Itaboraí, Rio Bonito, São Sebastião do Alto, Saquarema, São Francisco de Itabapoana e Tanguá. O bloco 2 atende os bairros da Barra da Tijuca e Freguesia e as cidades de Miguel Pereira e Paty do Alferes.  

O restante da Zona Oeste da capital (com exceção da Barra e Freguesia) contempla o bloco 3 juntamente com três cidades da Baixada Fluminense (Seropédica, Itaguaí e Paracambi) e três do Sul do estado (Piraí, Rio Claro e Pinheral). Já o bloco 4 atende às Zonas Norte e Oeste da capital e oito municípios da Baixada sendo estes Caxias, Nova Iguaçu, Belford Roxo, Japeri, Mesquita, Nilópolis, Queimados e São João de Meriti. 

A licitação pretende arrecadar, no mínimo, R$10 bilhões. Desse valor arrecadado, 80%  vão para o estado e 5% para um fundo da Região Metropolitana. Os 15% restantes serão divididos entre os municípios onde a Cedae já opera atualmente, de acordo com a população de cada um.   

Como em qualquer leilão, as empresas ou consórcios que pagarem o maior valor, assumem o serviço. As empresas terão que cumprir metas na distribuição de água e no tratamento de esgoto e serão exigidas contrapartidas entre elas. A tarifa só poderá ser reajustada pela inflação, e a tarifa social, que atualmente atende 0,57% da população, deverá chegar a 5%. Além disso, as empresas serão obrigadas a gastar no mínimo R$ 1,8 bilhão na infraestrutura de coleta de esgoto e fornecimento de água nas favelas.  

No meio ambiente, o edital de licitação prevê investimentos mínimos de R$ 250 milhões para a despoluição das lagoas da Barra e Jacarepaguá, R$ 2,6 bilhões para despoluição da Baía de Guanabara e quase R$ 3 bilhões para a preservação da bacia do Rio Guandu. A abertura dos envelopes do leilão será no dia 30 de abril em São Paulo, no prédio da Bolsa de Valores.  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s