Schwartzman e Alcaraz vão se enfrentar na decisão do Rio Open 2022; Bruno Soares e Jaime Murray avançam para final de duplas 

Foto de capa: Lucas Furtado Isaias

Por Lucas Furtado Isaias

O argentino Diego Schwartzman e o espanhol Carlos Alcaraz são finalistas do Rio Open 2022. Em dois grandes jogos que animaram o público presente na Quadra Central Guga Kuerten, respectivamente, derrotaram Francisco Cerundolo (ARG) e Fabio Fognini (ITA). Bruno Soares e Jaime Murray derrotaram Marcel Granollers (ESP) e Horacio Zeballos (ARG) e conquistaram a sua vaga para a final de duplas que terá a segunda semifinal antes da decisão de simples e o grande jogo após a partida que abre a programação da Quadra Guga Kuerten. Foram 8 jogos realizados no sexto dia de competição e 3 serão realizados no sétimo e último dia do torneio.  

Diego Schwartzman derrotou o compatriota Francisco Cerundolo em uma semifinal eletrizante de 2h02min de duração por 7/6 e 6/3. Schwartzman teve muitas dificuldades com o seu saque no começo do jogo e no terceiro game, Cerundolo conseguiu quebrar o saque e abrir vantagem no jogo, mas o público apoiou o rival o tempo todo e no oitavo game, Diego salvou um set point e começou a crescer na partida e no décimo game devolveu a quebra que virou o placar. O set acabou no tie-break e Schwartzman teve um grande começo e chegou a abrir 4/0, mas Cerundolo empatou o duelo, entretanto, passou a cometer erros e a sentir a pressão da torcida em favor do rival e o campeão de 2018 ganhou o game por 7/4 e o set por 7/6.  

Com as graças da torcida, Schwartzman passou a dominar mais a partida colocando dificuldades para Cerundolo com seu jogo de fundo de quadra e bastante ofensivo. No sexto game, Cerundolo conseguiu uma quebra que empatou o jogo, mas ele cometeu muitos erros em seus saques. Schwartzman devolveu a quebra e, em seguida, passou a dominar o jogo. No último game, ele perdeu dois match points, mas na terceira tentativa não desperdiçou e fechou o set em 6/3 levando à loucura o público presente na Quadra Central Guga Kuerten e se tornou o primeiro tenista a chegar à final do Rio Open duas vezes.  

Anteriormente à tarde, Schwartzman havia derrotado Pablo Andujar (ESP), pelas quartas de final, em uma batalha de 3h33min de duração por 2 sets a 1 (7/6, 4/6 e 6/4), sendo o jogo mais longo do torneio, até o momento. Já Cerundolo derrotou o sérvio Miomir Kecmanovic por 2 a 1 (7/5, 6/2 e 6/4) em 2h17min de jogo.  

Carlos Alcaraz conseguiu a segunda vaga da decisão e está em busca de seu primeiro título de ATP 500 na carreira após derrotar o italiano Fabio Fognini por 2 sets a 0 (6/2 e 7/5). O espanhol dominou o primeiro set com amplo domínio de seu saque e se aproveitando dos vários erros que o italiano cometeu, inclusive com bolas na rede durante a reta final, e venceu por 6/2. 

Fognini depois de uma atuação com muitos erros no fim do set inicial, se recuperou no segundo para alegria de parcela do público que se animou e impulsionou o jogador. Alcaraz cometeu erros e foi quebrado no quarto game do jogo após dois break points salvos. Fognini chegou em 4/1 no set conseguindo aplicar seus slices sem dar chances ao rival, mas o espanhol reagiu e no oitavo game devolveu a quebra, deixando o jogo quente. A torcida pró-Alcaraz incentivou o espanhol que, no décimo primeiro game, virou o placar. Voltando a cometer erros no seu serviço, o italiano se irritou com o seu próprio desempenho e não apresentou mais dificuldades para o espanhol confirmar o serviço e vencer o jogo para alegria do público presente no Jockey, já na madrugada de domingo, e que mesmo com uma chuva leve ficou presente até o fim prestigiando a semifinal.  

Fabio Fognini em ação contra Carlos Alcaraz – Foto: Lucas Furtado Isaias

Nas quartas de final, Alcaraz derrotou o italiano Matteo Berretini por 2 sets s 1 (6/2, 2/6 e 6/2) em 2h02min. Este jogo foi interrompido por duas horas e meia pelas chuvas que caíram no Rio de Janeiro, muito mais fracas que a da véspera, mas suficientes para poder comprometer o jogo que teve altos e baixos dos rivais durante a partida. Fognini derrotou Federico Coria (ARG) em 2 sets a 0 (6/4 e 6/2) em 1h17min de jogo. O italiano, no set inicial, chegou a abrir 4/0, mas o argentino conseguiu engatar três games seguidos se aproveitando dos erros do adversário, contudo Fognini fechou em 6/4. No segundo set, ele não teve dificuldades de dominar o jogo e venceu com o apoio de toda a torcida presente na Quadra 1 do Jockey Club.  

Nas duplas, Bruno Soares (BRA) e Jaime Murray (GRB) venceram, na semifinal, a dupla, Marcel Granollers (ESP) e Horacio Zeballos (ARG), campeões do torneio em 2020, com o apoio intenso da torcida por 2 sets a 0, (6/3 e 6/2). O brasileiro e o escocês tiveram um começo disputado, mas logo passaram a dominar o jogo. Membros do staff de Bruno ajudaram o público a entoar cânticos de incentivo à dupla e comemoraram muito a vitória após o jogo.  

A dupla vai enfrentar o vencedor do duelo entre Fabio Fognini (ITA) e Simone Bolelli (ITA) contra Santiago Gonzalez (MEX) e Andres Molteni (ARG). Em razão da prioridade de Fognini com as simples, o duelo vai abrir a programação do último dia do torneio e acontecerá às 16h, horas antes da final que acontecerá após Alcaraz X Schwartzman. O argentino e mexicano completaram o jogo de quartas de final contra os italianos Andrea Vasassori e Lonrezo Sonego e venceram o jogo por 2 sets a 0 (7/5 e 6/4).  

Antes das semifinais de simples acontecerem, o Rio Open prestou uma homenagem ao ex-tenista e comentarista do Bandsports, Flávio Saretta. Ele teve uma trajetória marcante no esporte brasileiro com uma medalha de ouro em simples no Pan-Americano Rio 2007 e em 2003 chegou a ser número 44 do mundo. Em slams, já chegou às oitavas de final de Roland Garros e 3ª rodada do Australian Open, US Open e Wimbledon, ambos em 2003. No slam britânico, ele derrotou o campeão do major australiano em 2002 e então 11 do mundo, Thomas Jonasson (GRB) por 3 sets a 2. Seu único título foi em Umag, no torneio de duplas, ao lado de Jose Acucaso (ARG) em 2004.  

Em 2009, as lesões o fizeram encerrar sua trajetória profissional após 11 anos no circuito da ATP. Desde 2013, ele é o principal comentarista de tênis do Bandsports e integra o casting do Ace, programa semanal voltado à modalidade, e desde dezembro de 2021 também passou a comentar sobre futebol, integrando o casting do Bola Rolando.  

Na apresentação foi exibido um vídeo com depoimentos de pessoas importantes em sua trajetória como Fernando Meligeni e Gustavo Kuerten e em seguida, foi entregue uma placa comemorativa das mãos de Ricardo Aciolly, diretor de relações institucionais do torneio, e João Soares, treinador responsável por formar Saretta no esporte. A esposa, a atriz Suzana Alves e os filhos Benjamin e Felipe também estiveram presentes na homenagem assistindo tudo na plateia.  

Em discurso, ele se disse muito honrado com a homenagem e que é uma emoção grande voltar à quadra com grande público. Ele se emocionou ao lembrar que esta é a primeira homenagem que recebe e ressaltou a importância do tributo em um país que não valoriza os atletas. Antes, no duelo entre Fognini e Coria, Saretta assistiu ao jogo na área reservada a jornalistas e foi aplaudido por espectadores que o reconheceram na Quadra 1 e um deles lembrou do seu bordão nas transmissões “Pega essa picanha!”, usado em grandes momentos dos jogos.  

Programação do Sétimo e Último Dia do Rio Open 2022 

Quadra Central Guga Kuerten  

17h30 

Diego Schwartzman X Carlos Alcaraz 

Bruno Soares/Jaime Murray X Simone Bolelli/Fabio Fognini ou Andres Molteni/Santiago Gonzalez  

Quadra 1 

16h 

Simone Bolelli/Fabio Fognini X Andres Molteni/Santiago Gonzalez  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s