Como funciona os reajustes de passagem no metrô?

Foto de Capa: ANPTrilhos

O preço da passagem do metrô na cidade do Rio de Janeiro aumentou drasticamente neste ano. Mas grande parte da população não entende o porquê desse aumento e o que está envolvido nele. Vamos entender? 

A explicação dada pela Secretaria de transporte do Estado do Rio de Janeiro para o último reajuste de 12%, passando de R$ 5,80 para R$ 6,50, é por conta da pandemia do Covid-19. Com o isolamento social, a circulação de passageiros diminuiu absurdamente em comparação aos últimos anos.  

Existem 3 tipos de aumentos para o metrô: o quinquenal, quando de 5 em 5 anos é feito o equilíbrio de passageiros. Caso tenha mais passageiros que o esperado esse valor é retornado para a concessão em forma de investimento, mas, quando a demanda fica abaixo da expectativa, é necessário o reajuste da passagem para equilibrar a concessão. Existem as revisões anuais que são medidas pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) que, por sua vez, é atrelado ao dólar e existem as revisões extraordinárias.  

Esta última é difícil de acontecer, mas ocorreu agora com o efeito da pandemia, pois o metrô regrediu de 900mil passageiros diários para 120 mil e, hoje, não passa dos 400 mil. Com isso, precisou ser feito uma correção de demanda. O metrô se sustenta com o valor da passagem, mas com a queda de passageiros, isso não acontece mais. Com isso o Estado teria que aportar dinheiro para o reajuste não ser repassado, mas o governo do Estado alega que não aporta dinheiro em uma concessão pois o dever é da concessionária. Segundo a Secretaria de Transporte do Estado do Rio de Janeiro, essa correção é negociada toda vez com as concessionárias para não serem repassadas para os passageiros. 

No entanto, o contrato de concessão do MetrôRio prevê que o governo do Estado deveria aportar dinheiro para conter esses aumentos e para melhorar os trens e as estações. 

Gráfico: Lucas Menescal

Isso porque, no Rio, diferente de São Paulo, os transportes não são geridos pelo Estado. Quem administra o metrô, por exemplo, é um empresário. Os transportes possuem contratos de concessão, ou seja, o Estado fiscaliza e possui a titularidade, mas a empresa tem o encargo de administrar o mesmo. 

Mas por que aumenta o metrô hoje em dia? Essa pergunta é feita por muitos cariocas, mas a resposta é simples. Aumenta pois sempre aumentou, mas como a porcentagem era baixa não atingia muito o orçamento da população. Porém como o IGP-M aumentou 25% no último ano, lembrando que ele é vinculado ao dólar que teve a maior alta da história, o reajuste da passagem é maior e naturalmente é sentido mais pelos usuários. 

Um comentário sobre “Como funciona os reajustes de passagem no metrô?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s